sábado, 14 de janeiro de 2017

I'm a mother fucking starboy



E eis que vem chegando o verão, um calor no coração, essa magia colorida e 2017! Anos ímpares nas disparidades da vida sempre são mais positivos para mim. E esse ano começou mais tranquilo e menos corrido do que o ano anterior. Finalmente, posso dizer que vou terminar meu doutorado, defendi minha prévia dia 10/01 e surpreendentemente (sarcasm mode on) foi tranquilo, só o meu chefe achou que não seria! Como eu sei que estou no lugar errado...

Além disso, o ano veio trazendo empreguinhos lindíneos, vou voltar a dar aulas no curso de um amigo e na Cultura Inglesa (muita emoção, porque é uma das melhores empresas por aqui). Estou muito feliz e esse é o começo rumo aos concursos de professora pra Doutora aqui. Que seja apenas a retomada do caminho.

Decidi esse ano fazer um bullet journal, handmade. Isso pode ser um sério problema para virginianos, ter que fazer coisas a mão e sem errar, sem apagar, sem entortar... temos esse problema. Vou treinar no aperfeiçoamento da vida a capacidade de aceitar o erro. Isso é tão difícil para mim.

Em 2017 vale usar aquela frase batida de que vamos ser uma versão melhor de nós mesmos, tá liberado achar que vai dar tudo certo, ainda é janeiro bora botar umas metas no papel. Vai que elas acontecem? Vai que vem Chile, Londres ou sei lá romance? Vamos sonhar mais um pouquinho porque o ano velho foi level hard e merecemos umas poções revive e uns cheats.

Boas vibrações para este novo ano que se inicia.
Se pá, me achem no instagram @beutybeepop <3 p="">
Love,

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

E as olimpíadas hein?


Achei que seria o caos, lembro até de ter dito que seria assim para meus amigos fora do país, todos alarmados com a Zika, a crise, o golpe, a água suja e o monte de coisas que podiam dar errado. E as coisas não deram errado, na verdade foi um modesto sucesso e eu curti muito. Vou contar uns causos internacionais.

1. Mil gols (5x), só o Pelé, só o Pelé, Maradona cheirador
Os argentinos em bandos tomaram conta da cidade e dos jogos e zuá-los fez parte diária da brincadeira. Eu sempre faço amizade com eles, e depois que eliminaram o Brasil no basquete fiquei cantando isso ai para todos os que eu via (o alcool ajudou na coragem e no espanhol) e eles riam (eu também chamava eles de incompetentes um pouquinho, porque tinham que ganhar da Espanha para nos salvar, mas perderam).

2. Conexão Brasil - França (ou se o mundo fosse justo eu teria essa pessoa por perto)
Um amigo francês que fiz no carnaval e que estava morando em SP veio ao Rio e me acompanhou nos museus e em Santa Teresa no finzinho das Olimpíadas. Ele ficou maravilhado com as mudanças no porto da cidade e com o carioquês. É tão interessante ver uma pessoa de fora, que vive em SP, ter um carinho enorme pelo Rio.

3. Essa é a mistura do Brasil com o Egito
Tenho um amigo egípcio que fiz na Califa ano passado e com as Olimpíadas ele decidiu que vem ao Brasil ano que vem, vai vir pro Rio no Carnaval 2017. Isso mostra de certa forma o alcance das olimpíadas por aí, como o Rio ficou exposto e eu nem acredito que as coisas não desandaram.

4. Felicitaciones desde Espanha
Há 5 anos fui a Buenos Aires com a minha irmã e uma amiga e lá ficamos em um hostel (Hostel Suites Florida, muito bom) em um quarto misto com um espanhol - Mikel - que trabalhava em uma fazenda no interior da Espanha. Na época tiramos umas fotos e trocamos emails. Hoje vi que ele mandou um email semana passada nos felicitando pelas Olimpíadas. Fiquei de cara, a gente inserido no meio de tudo esquece como realmente tem gente em muitas partes do mundo vendo os jogos. Até estive em algumas partidas de basquete da Espanha, nunca ia imaginar falar com ele de novo.

:)

domingo, 17 de julho de 2016

But don't you know only fools are satifsfied?

Dream on, but don't imagine they'll all come true - Vienna (Billy Joel)



Se tem uma coisa que eu percebi que sempre vou levar comigo e que muitas vezes mesmo que se passe muito tempo continua verdadeira é a amizade. É muito incrível rever as pessoas ou tentar reencaixar as pessoas na sua vida e lembrar que com elas você pode ser mais de você mesmo, uma versão menos pretensiosa, menos arrogante, menos enfeitada de você mesmo. Eu sou uma pessa extrovertida por natureza, mas ainda assim fechada nos meus relacionamentos e pensamentos, quando alguém abre a porta e eu convido a entrar é porque realmente gostaria de ter essa pessoa comigo sempre. Amigos, que beleza é a vida com eles por perto. Posso não ter dinheiro, mas sei que com eles terei alento.

Fora isso essa semana tive um ataque daqueles de ansiedade, reunião com um chefe/pessoa que eu não gosto, que me faz mal, que se eu pudesse não trabalhava mais com, mas que infelizmente ainda se faz presente e tem papel importante nos caminhos que tenho que trilhar esse ano. Estou quase bem, mas foi uma semana tensa. Eu devia beber uns litros de cerveja para superar.

Esses dias eu descobri 2 seriados bem como eu gosto - históricos, com um herói gato, mocinha forte, british rs - Outlander com sua pegada escocesa, e Poldark com um pensamento revolucionário de pano de fundo e como eu estudo silicose fica impossível não imaginar como a doença era parte da vida das pessoas nas minas ou como a peste dizimava vilarejos inteiros. Gostei tanto de Poldark que li 4 dos livros (de uma série de 12 cuja leitura eu dividi pela vida, lendo claro o final pq eu amo fazer isso). Pensando nisso resolvi listar em ordem aleatória meus romance favoritos de livros e/ou seriados, basicamente os casais que fizeram tanto na tv quanto nos livros com que eu seja esse serumaninho romantiquinho que eu sou e que tem o dedo podre e que não consegue nem apelar pros Tinder da vida..

1. Elizabeth e Mr Darcy de "Orgulho e Preconceito" da Jane Austen, minha autora favorita
2. Joey/Dawson/Pacey em "Dawson's Creek" pq né, sou a 90's kid e foi isso que me fez querer tv a cabo em casa  (provavelmente os primeiros culpados)
3. Noah e Allie de "O diário de uma paixao", que homem senhores!!!!
4. Margareth Hale e John Thornton de "North and South" que fala da revolução industrial e da vida difícil e pobre nas cidades modernas
5. Poldark e Demelza da série Poldark de tv e de livros de Winston Graham, é uma história complexa, com personagens intensos e uma vida de cumplicidade, ainda mais que de amor entre os dois.
6. Gilmore girls, todos os plots e principalmente Rory e Jess
7. Rachel e Luke no livro da Marian Keyes "Férias", que trata de rehab e amor por uma pessoa doente
8. Sassenach/Claire e James Fraser de Outlander, outro seriado que me fez considerar ler os livros, mas também são muitos. Impossível não amar os poemas, frases de escritos e cultura representados na série.
9. Sam e Annie, mas na verdade Tom Hanks e Meg Ryan no auge e o Empire State que figurou tanto no meu imaginário que é um dos meus pontos turísticos favoritos da vida
10. Celine e Jesse da trilogia "Antes de Amanhecer" e etc, Julie Delpy e Ethan Hawke passeando pela Europa reincarnam o relacionamento que eu queria ter um dia.


beijo em formato de coração <3 p="">

segunda-feira, 27 de junho de 2016

You don't know my mind

You don't know my kind
Dark necessities are part of my design - Red Hot Chili Peppers



Novo CD dos RHCP e a vida segue parecendo uma versão mais retocada do passado, como as mesmas pessoas repaginadas, os mesmos posts no face (que poderiam ser mensagens no orkut), os mesmos aniversários, o que muda sempre são os problemas, os dilemas, vem as crianças, as doenças e o tempo passa voando. Difícil acreditar que é quase julho, que eu ainda não defendi o meu doutorado e que eu sinto uma vontade enorme de jogar tudo para o alto como o meme da Noviça Rebelde e comprar passagens sem volta para qualquer canto. O meu sentimento de tenho que fazer tudo porque eu não tenho tempo deu lugar ao que mais eu vou fazer?
Mas tudo bem, o ponto positivo é saber que nada é certo e finito o que é o mesmo que saber que virtualmente tudo é possível.

Um fim de semana de imersão em inglês com os amigos, de arraiás, futebol, GOT e de olhar para algumas coisas e sentir que cresceu para elas, como se aquela situação não te pertencesse mais porque você quase está na casa dos 3.0. Engraçado isso.


=)



segunda-feira, 6 de junho de 2016

'Cause we're all lost stars

Trying to light up the dark - Keira Knightley/ Adam Levine



Sempre que vejo os adultos eu sem querer os julgo. Eu me pergunto porque parecem tão infelizes, impacientes, fora do lugar. Eu claramente me esqueço que sou uma adulta. Isso é bem louco, eu sou uma adula. Não uma jovem, A-D-U-L-T-A. As pessoas vão parar de dizer "Ah, mas você é tão nova!". E com essa realização eu me pergunto quando eu fui verdadeiramente feliz, quando foi a última vez que eu senti que todos os pontos estavam nos devidos lugares e onde tudo descarrilhou... E me lembrei que deve ter sido na primeira morte, no primeiro funeral,  no primeiro enterro, no primeiro choro dos meus pais, na primeira perda de verdade. Não na perda de uma oportunidade ou algo material, mas de uma vida, um amigo, um universo infinito. E concluo que é por isso que os adultos são o que são, infelizes, impacientes, fora do lugar. Deve ser porque sua alma tem cicatrizes, resultado das lutas e perdas, oposto ao Voldemort que dividia sua alma sempre que ele matava alguém, dividimos e perdemos um pouquinho da nossa alma quando um ente querido parte. Ainda sou uma alma jovem, nova, pouco machucada, quase inteira, mas já sinto essa dor.


xoxo
Patricia

quinta-feira, 2 de junho de 2016

Are you ready for a perfect storm?


Once your mine there's no turning back - Dark Horse (Katy Perry)



E hoje ao invés de trabalhar (OK, não tinha muita coisa para fazer) o pessoal do lab ficou falando de astrologia, como boa cética eu sempre tive um problema com isso por ser uma virginiana bagunceira, mas ao mesmo tempo ser bem a mina crítica da turma. Não fazia sentido. Fiz o bendito mapa astral online (ah os tempos modernos!) e descobri que tenho ascendente em Áries! O signo que eu acho mais difícil de lidar, o líder, o agressivo... isso explica taaaanta coisa!

Achei no site um texto tão legal sobre pessoas sol em Virgem e ascendente em Áries que eu até quero acreditar.

Você é uma pessoa ativa, enérgica, cheia de iniciativa, ritmo e Boa vontade. Tem liderança e consegue ser espontâneo sempre que isso se faz necessário. Certamente não leva desaforos pra casa, ainda que se sinta frequentemente estranho quando está brigando pelos seus direitos. É porque uma parte sua reluta em dar a si mesmo o crédito merecido, existe uma forte tendência a auto-sabotagem devido a uma tendência de se lidar consigo mesmo e com seus defeitos com muita severidade. Outra questão diz respeito a forte tendência a dispersar suas energias com coisas pequenas e insignificantes. Pode levar tempo até você perceber que você é na verdade uma pessoa maior e mais merecedora de privilégios do que realmente pensa, e que não precisa se submeter a pouca coisa. Enquanto não conseguir isso, o sol em Virgem estando no sexto signo em relação ao ascendente, ao invés de permitir que você libere seu impulso ariano natural para a liderança, seu espírito empreendedor e a independência que lhe é natural, faz com que você fique perdendo seu tempo com picuinhas que não lhe dizem respeito, se estressando com coisas pequenas, gastando suas forças em algo que jamais lhe dará algum retorno significativo. É necessário perceber o quanto antes a perigosa propensão a sempre condenar a si mesmo a algo menor do que aquilo que você de fato é capaz de fazer ou conquistar. Você tem todo o potencial para vencer pois alia a iniciativa com a habilidade de se manter perseverante em um curso de ação mesmo quando ele se revela monótono em alguns momentos ou quando atravessa momentos de crise. É uma pessoa crítica e que empreende mudanças e reformas constantes, está sempre aprimorando o mundo ao seu redor e diante de uma falha ou problema, ao invés de apenas reclamar, normalmente age. A crítica tende apenas a se tornar um problema nos seus relacionamentos, a autocrítica um elemento que impede a expressão natural dando as vezes um ar mecânico ou “forçado” e são estes os elementos que melhor precisam ser trabalhados ao longo de sua vida.

beijo do Mü de Áries e abraço do Shaka de Virgem (adoro!)

terça-feira, 31 de maio de 2016

Do you believe in what you see?

Mothionlessly nothing is real - Zero 7


Decidi retomar o blog há alguns dias, espero fazer dele a minha terapia ou um lugar para me esconder da loucura que é o RJ.

Ontem voltei ao meu laboratório, a apresentação da minha tese de doutorado está quase terminada, falta passar pelo crivo de um professor, mas é uma angústia sem fim. Um momento que faz a ciência no Brasil um futuro cada vez mais distante para mim. A curse and a blessing.

Resolvi também começar a trocar cartas com pessoas pelo mundo, quero fazer isso com 5, já tenho 3 candidatos empotencial. Escrever devia ser a única terapia ocupacional dos tempos antigos.

Ah e comecei a ver Outlander, que série interessante e que sotaaaaaque escocês maravilhoso. Próximo plano de viagem com certeza vai incluir Escócia + Inglaterra + Irlanda.

Love,
Patricia

 
Template by suckmylolly.com